sexta-feira, 26 de novembro de 2010

AS MENTIRAS GAYZISTAS


Nos últimos anos surgiram vários grupos que procuram fazer com que se tornem leis aquilo que chamam de "direitos dos homossexuais", que são por estes grupos considerados "direitos humanos". Estes grupos baseiam os seus protestos e petições em várias mentiras, meias-verdades e enganos.

Vejamos quais eles são:

1 - O homossexual "nasce assim", e não pode fazer nada a respeito.

Mentira. O homossexualismo é, de acordo com mais de 70% dos psiquiatras americanos, uma doença que tem cura, não uma "inclinação" que vem da barriga da mãe. O homossexualismo é geralmente causado pela falta de uma pessoa adulta do mesmo sexo que seja vista como um modelo para a criança na fase em que ela está a desenvolver a sua personalidade (de 1 até os 4 anos de idade). Esta pessoa normalmente é o próprio pai, mas pode perfeitamente ser o avô, tio, primo...

Como este problema surge quando a criança ainda é muito pequena, é compreensível que o homossexual não tenha nenhuma lembrança de já ter sido normal. A cura do homossexualismo é feita por tratamento psicológico, que procura levar o paciente a perdoar seu pai e buscar um modelo masculino adequado.

2 - 10% das pessoas são homossexuais.

Mentira. Estes dados, frequentemente citados pelos grupos activistas pró-homossexualismo, vêm do chamado "Relatório Kinsey", feito por um americano que usou métodos totalmente anticientíficos, e não têm nenhum valor. O Dr. Kinsey pesquisou basicamente entre pessoas condenadas por crimes sexuais e atentados violentos ao pudor nas cadeias americanas, e omitiu este fato, divulgando sua pesquisa como se ela fosse uma representação da sociedade como um todo, não dos meios criminosos mais depravados. Pesquisas mais recentes mostram que não mais de 2% da população já teve relações homossexuais; 33% por cento dos abusos sexuais contra crianças nos Estados Unidos, porém, foram feitos por homossexuais assumidos. Uma parcela muito maior dos homossexuais assumidos já se envolveu em actos sexuais com crianças que qualquer outro grupo da sociedade.

3 - Os homossexuais não têm um estilo de vida mais perigoso que o dos heterossexuais.

Mentira. A idade média de morte dos homossexuais americanos é de 42 anos, se não levarmos em conta os que morrem de SIDA. Se os levarmos em conta, a expectativa de vida de um homossexual americano é de 39 anos. Apenas 9% dos homossexuais dos EUA atingem os 65 anos de idade. Um homem heterossexual casado no mesmo país tem uma expectativa de vida de 75 anos. A idade média em que falecem as lésbicas americanas é 45 anos de idade; a expectativa de vida média das mulheres nos EUA é de 79 anos. 50% dos suicidas são homossexuais praticantes. Um quarto dos homossexuais americanos é alcoólatra ou viciado em drogas. 43% dos homossexuais admitem já ter tido mais de 500 parceiros sexuais. 28% admitem mais de mil parceiros sexuais. 79% deles admite que a imensa maioria destes contactos foi com pessoas absolutamente desconhecidas.

4 - Os homossexuais não têm relações conjugais estáveis porque não têm direito a casar-se.

Mentira. Para começar, eles têm sim este direito; não têm é o direito de casar-se com pessoa do mesmo sexo, como aliás os heterossexuais também não têm. Além disso, hoje em dia a quantidade de casais heterossexuais que vivem juntos sem casamento é enorme, e não é um documento de casamento civil que vai aumentar ou diminuir o número de relações de casal estáveis entre os heterossexuais. O que os movimentos activistas homossexuais procuram é fazer com que a população aceite o homossexualismo como algo tão correcto e aceitável quanto o matrimónio. Alguns grupos activistas homossexuais dizem que querem o "casamento gay" por questões de herança; se assim fosse, estariam lutando pelo direito, inexistente no Brasil, de definir em testamento para quem vão todos os seus bens. Assim um pai poderia definir que todos os seus bens vão para um determinado filho e não para os outros, ou um homossexual poderia definir que seus bens vão todos para seu parceiro. Isto, porém, não interessa a eles, pois o que eles desejam é ver o homossexualismo aceito como igual ao matrimónio pela sociedade.

5 - Discriminar as pessoas por sua "preferência sexual" é equivalente a discriminá-las por causa da cor de sua pele.

Mentira. A discriminação causada por preconceito racial é uma discriminação da pessoa pelo que ela é, pela cor de sua própria pele. Uma pessoa discriminada por causa da cor de sua pele é uma pessoa discriminada por causa de algo que ela nunca pode mudar, por causa de algo que ela é. Já a discriminação por "preferência sexual" é uma discriminação por causa do que a pessoa faz, não pelo que ela é.

Há uma discriminação que frequentemente chega a ser criminosa, entretanto: quando é uma agressão simples, sem caridade e sem desejo de auxílio, a discriminação contra os homossexuais é errada. Assim, do mesmo modo como não se deve atacar física ou moralmente (dando socos ou xingando) alcoólatras ou viciados em drogas, não se deve atacar homossexuais. Eles devem ser ajudados a libertar-se desta doença e buscar uma cura, não ser atacados. A agressão pura e simples não leva a bem nenhum.

Há porém outro tipo de discriminação que é saudável, que consiste em perceber o mal que acomete a pessoa e buscar ajudá-la a evitar situações que poderiam ser perigosas. Assim como não podemos querer que um alcoólatra seja vigia de um depósito de bebidas alcoólicas, para seu próprio bem, não podemos aceitar que um homossexual viva ou trabalhe em situações em que a tentação seja demasiadamente forte e difícil de resistir (por exemplo: ser militar, conselheiro escolar ou chefe de escuteiros, etc.), também para seu próprio bem. Esta discriminação não é agressiva; ao contrário, é uma protecção e visa o bem de todos.

6 - A Bíblia não fala nada contra o homossexualismo.

Mentira. No Antigo Testamento o homossexualismo é condenado por Deus nos termos mais fortes como um crime abominável (Lv 18,22), chegando a merecer a pena de morte (Lv 20,13, como aconteceu com a cidade inteira de Sodoma (Gn 19).

No Novo Testamento, Deus nos ensina pela boca de São Paulo Apóstolo que o homossexualismo é contrário à natureza e depravado (Rm 1,24ss) e que os efeminados e sodomitas não herdarão o Reino de Deus (1 Cor 6,10).

Autor: Carlos Ramalhete


7 comentários:

  1. Acho se você tivesse compaixão dos outros você poderia ser um pouco menos agressivo com este texto idiotata e preconceituoso.DEUS ama todas criaturas independente do que ela sente e segue seus sentimentos.Vc não está sendo nem um pouco cristão para julgar as pessoas, seu hipócrita de merda deve ser uma bixa recalcada que não tem coragem de se assumir.Vejo mtos homens casados da igreja que tem relacionamento escondido com outros homens que nã se assumem.Seu pecador de merda vai julgar seus amigos padres que são uns pederastas.!

    ResponderEliminar
  2. Como vivo no meio acadêmico, já conheci inúmeros psiquiatras e nunca ouvi nenhum declarar que homossexualismo tem cura.

    Desafio vc a apresentar artigos de médicos que demonstrem isso. Se os psiquiatras americanos declaram isso, deveria existir centenas de artigos acadêmicos demonstrando tal fato.

    O seu artigo perdeu completamente a credibilidade com essa mentira.

    ResponderEliminar
  3. Isto é a homofobia em todo o seu esplendor. E que tal falar também dos padres católico s homossexuais e pedófilos? AH já sei, se calhar não tiveram "uma pessoa adulta do mesmo sexo que seja vista como um modelo para a criança na fase em que ela está a desenvolver a sua personalidade". Só tiveram um bispo que lhes foi ao cu.

    ResponderEliminar
  4. Lamento, mas, tal tipo de texto faz apologia e alusão a homofobia. Ao dizer que "Há porém outro tipo de discriminação que é saudável, que consiste em perceber o mal que acomete a pessoa e buscar ajudá-la a evitar situações que poderiam ser perigosas" você está incentivando a discriminação e como desculpa a caracteriza como "saudável" . Aos Gays -como são mais conhecidos- acho que posso informar podem mover um processado -no Brasil e no mundo existem milhares de homossexuais- que se sentirem ofendidos por tal texto. Por quê ? Pelo fato que a relação entre pessoas homo-afetivas "poderiam ser perigosas", o autor está tentando dizer, possivelmente, aos seus leitores que os homossexuais apresentam algum risco para o bom convívio e a sociedade. Qualquer tipo de incentivo a segregação social é crime. Sua opinião, no meu ponto de vista, é desprezível. Estude mais, leia mais e não se ache no direito de lançar uma campanha de fundamentos ilusórios sobre a existencia de uma cura para o homossexualismo. Você sim deve ser tratado. Recomendo-lhe, com as maiores das minhas boas intenções sessões, tratamento psicológico. Grato, defensor dos bons costumes (você precisa mais deles).

    ResponderEliminar
  5. Desculpe-me meu caro. Estou bem mais preocupado com a violência, carência, a fome e a desolação humana que vivemos hoje do que com os atos homossexuais ou homoafetivos. Eles vivem suas vidas. Sem praticar o mal ao próximo. Acredito que sua vida deva ser muito sem sentido e seus propósitos completamente sem valores para focar suas energias em quem celebra somente a vida. Deus o abencoe.

    ResponderEliminar
  6. Esse é o problema, caro Anónimo das 00:12! Vamos estando preocupados com outros "pecados maiores"... com o tempo, deixamos de estar preocupados com os pecados maiores, já que alguns deles passam a pecados menores. Enfim, é a cultura do relativismo que infiltrou a Igreja e destrói as almas.

    Por último, o autor expressou uma opinião e não insultou ninguém, basta de censura ideológica quando se fala destes temas.

    ResponderEliminar